Roubo de cabos de fibra óptica deixa usuários sem internet

Imagine chegar em casa depois de um longo dia de trabalho, tentar se conectar na internet para assistir algo na Netflix e descobrir que você está desconectado porque alguém roubou os cabos de fibra óptica do poste em frente à sua residência. Parece surreal, mas acontece. E com certa frequência.

Mas, afinal, o que leva os ladrões a se debruçarem no meio da noite para cortarem esses fios?

O dinheiro, é claro. Mas a prática não é tão lucrativa assim. Segundo algumas empresas que fazem a compra de cabos de fibra óptica para reciclagem, o preço médio da venda gira em torno de R$ 2 por metro. No mercado negro o valor pode ser ainda menor.

Além dos cabos de cobre, baterias de armários, cabos elétricos em centrais telefônicas e equipamentos de transmissão também desaparecem misteriosamente das instalações de internet, mas são geram mais lucro ao criminoso. A caixa de emenda de fibra óptica, por exemplo, pode ser encontrada na internet por valores entre R$ 200 e R$ 500.

Reprodução

“Nos primeiros casos citados, as paralisações dos serviços afetam clientes de localidades como bairros e ruas comerciais. Em relação ao furto de cabos ópticos, cidades inteiras podem ficar sem internet”, conta Flávio Borsato, diretor de Engenharia e Operações da Sercomtel, empresa que oferece serviços de internet via fibra óptica em regiões próximas a Londrina, no Paraná.

Ele ainda afirma que houve um aumento considerável no número de casos envolvendo o roubo de cabos desde 2013.

Fato é que essa prática criminosa acaba deixando muita gente desconectada e os técnicos confusos já que o problema não é tão simples de ser identificado. Se o profissional que for realizar o conserto for inexperiente, poderá levar algumas horas até que perceba que os cabos foram furtados. Outros agravantes podem dificultar ainda mais o reparo.

A Sercomtel afirma que o problema é resolvido em até 12 horas para situações extremas quando há furto de cabos ópticos e que os profissionais precisam encontrar o local exato onde houve o rompimento dos materiais. Em casos mais simples, o reparo é feito entre duas e quatro horas.

Um dos jornalistas aqui do Olhar Digital passou recentemente por essa infelicidade. Cliente da Live TIM, ele escutou do serviço de suporte da empresa que ela precisaria informar a Eletropaulo antes de enviar um técnico para repor o cabo sumido. Essa, por sua vez, verificaria se realmente houve furto dos cabos e, então, autorizaria a operadora de internet a realizar os consertos.

Em nota, a Eletropaulo afirma que “apenas há aprovação prévia da distribuidora para pedidos de compartilhamento das estruturas, como previsto em contrato com as operadoras de telefonia e telecomunicação”.  No caso do jornalista isso foi necessário e o tempo total em que ficou sem acesso à internet foi de cerca de 12 horas.

Tentamos o contato com a TIM e com a Vivo para comentar esse tipo de problema, mas ambas não retornaram os contatos até a publicação desta reportagem.

Referência:
http://olhardigital.uol.com.br/noticia/roubo-de-cabos-de-fibra-optica-deixa-usuarios-sem-internet/61011?utm_campaign=newsletter_posicao_01&utm_medium=leia_mais&utm_source=newsletter

João Rufino de Sales é o novo Coordenador-Geral de Informática do Ministério do Trabalho

Rufino

O Diário oficial da União de hoje (04/08) publicou a nomeação pelo Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira do Analista de Sistemas João Rufino de Sales para Coordenador-Geral de Informática do Ministério . João Rufino foi Presidente do CIASC a companhia estatal de Processamento de dados do Estado de Santa Catarina e Chefe do Datacenter do Exército em São Paulo entre outras funções de destaque. Considerado um dos maiores especialistas em segurança da informação, governança, riscos e compliance do setor público João Rufino leva toda a sua experiência de mais de 20 anos no setor de tecnologia da informação para uma área critica do governo Federal.

Referência:
Nota de Maria Helena – Assessoria de Comunicação IP Consultores

PCs precisarão de mais energia do que o mundo pode gerar

PCs precisarão de mais energia do que o mundo pode gerar

Desde a criação do computador pessoal no início dos anos 80, as empresas estão desenvolvendo chips cada vez menores, ainda mais potentes e, de quebra, mais baratos. Até agora, essa cadeia se mostrou produtiva. No entanto, para que ela continue a funcionar será preciso de algo que, em 2040, poderá estar em falta: eletricidade.

Segundo um relatório da Associação da Indústria de Semicondutores (SIA), em pouco menos de 25 anos, os chips dos PCs irão precisar de mais energia elétrica do que a produção global pode gerar.

Isso significa que a capacidade da indústria de manter o ritmo da Lei de Moore pode estar à beira do colapso. Formulada por Gordon Moore, co-fundador da Intel, em 1965, a lei indica que o número de transistores que podem ser instalados em um chip dobra a cada 18 meses, sem que seja preciso gastar mais.

LEIA: Como o fio elétrico conduz a energia?

No entanto, o que as empresas esqueceram é que uma grande quantidade de transistores significa mais interconexões e que, para mover os dados entre essas interconexões, mais da metade da energia de um processador é utilizada, aponta o estudo.

Por isso, segundo os cientistas, “as abordagens convencionais estão chegando a limites físicos”. Além disso, eles afirmam que essa tendência de diminuir o tamanho dos transistores não será financeiramente viável daqui cinco anos, em 2021.

Assim, para os pesquisadores, as fabricantes de chips terão que recorrer à criação de transistores em 3D se querem aumentar a performance dos computadores e manter seus preços baixos.

LEIA TAMBÉM:
Chip com Wi-Fi pode curar infecção
Google quer injetar chip no olho humano

Contudo, essa solução apresenta um outro desafio: a dissipação adequada do calor que se acumula nos circuitos. Esse problema de gestão térmica tem como efeito uma maior densidade de potência e, consequentemente, um maior uso de eletricidade.

Mesmo que projetos alternativos não encontrem uma maneira de superar essas novas barreiras, isso não significa que a fabricação de computadores irá parar no tempo. Na realidade, a inovação vai continuar, mas será mais sutil.

“Não estamos dizendo que é o fim da Lei de Moore. O que precisamos fazer é recuar e ver o que realmente importa aqui: a computação”, afirmam os cientistas no relatório.

REFERÊNCIA:
Super Interessante, 27 de Julho de 2016 via Exame.com 

Hackers podem ver tudo o que você digita em teclados sem fio

Especialistas em segurança digital conseguiram roubar o sinal e conferir todas as informações que internauta digitou ao fazer uma reserva online em um hotel.

pessoa digitando em um teclado

Não adianta encobrir os dedos ou se fechar em um escritório. Se você estiver usando um teclado sem fio e um hacker estiver por perto, a 75 metros de distância, ele poderá ter acesso a tudo o que você digita – inclusive a senha e os dados da sua conta bancária.

Foi o que pesquisadores especializados em segurança digital fizeram ao testar oito marcas de teclados sem fio, entre elas HP e Toshiba. Com um transponder de rádio e uma antena para aumentar o alcance, eles conseguiram interceptar o sinal enviado do teclado para o computador.

E registraram todas as informações que outro colega digitou ao fazer uma reserva online em um hotel: número do cartão de crédito, nome do titular, e endereço de correspondência.

LEIA TAMBÉM: Hackers da vida privada

O problema está nos sistemas de transmissão. Em alguns equipamentos, o teclado vem com um dispositivo USB que capta as mensagens do teclado. Essa conversa acontece pelas ondas de rádio. Só que a segurança é muito frágil – e qualquer transponder dá conta de roubar esse sinal. E o pior: é impossível corrigir essa falha.

A única saída, segundo os pesquisadores, é trocar seu teclado. Marcas como Logitech, Dell e Lenovo, ou aparelhos com comunicação via Bluetooth, não apresentaram problemas.

Referência:
Super Interessante de 28 de Julho de 2016

Youtube fica fora do ar no Brasil e em outros países

Pela primeira vez desde 2011, o YouTube ficou indisponível para diversos usuários do mundo. Pessoas que tentavam acessar o site de vídeos eram recebidas com uma mensagem de erro 502 (o servidor não era capaz de atender à solicitação).

Por enquanto, a empresa ainda não se pronunciou sobre o motivo da falha. Da última vez que isso aconteceu, o Youtube se manifestou por meio do Twitter; desta vez, por outro lado, nada foi dito. Diversos usuários, no entanto, reclamaram da falha na rede social.

Erros 502 podem ser causados por sobrecarga ou defeito dos servidores. Em geral, basta que o usuário espere alguns minutos e tente acessar o site novamente. Em alguns casos mais graves, pode tratar-se de um bug no servidor, ou mesmo de um ataque DDoS.

Não parece ser o caso dessa vez, no entanto. O The Next Web pode confirmar que o Youtube não chegou a sair do ar na Índia, por exemplo, e voltou ao ar pouco depois nos Estados Unidos. No Brasil, o site já está funcionando normalmente.

Atualização às 11h52: O Youtube enviou ao Olhar Digital um posicionamento sobre a situação. A nota do site é replicada abaixo:

“Durante um procedimento de rotina de engenharia, o YouTube ficou fora do ar por aproximadamente 15 minutos. O problema já foi resolvido e o YouTube está funcionando normalmente”.   

Referência

Olhar Digital de 22 de Junho de 2016

Facebook adiciona nova seção ao perfil dos usuários

Silenciosamente, o Facebook realizou mais uma mudança na aparência da rede social. Desde o início da semana, quem visualizar o perfil de algum usuário vai perceber à esquerda um novo quadro chamado “Apresentação”.

 

Reprodução

Lá ficam informações sobre estudo, trabalho e a possibilidade de adicionar fotos em destaque. Ao que parece, a ideia da nova seção é mostrar dados que podem ajudar alguém a saber quem é o usuário.

O Facebook afirmou que a novidade tem como objetivo ajudar os usuários a entender melhor suas configurações de privacidade. “Esta é uma mudança que fizemos na semana passada para tornar mais fácil de entender que o seu trabalho e a educação (escola, faculdade) são campos públicos. Nenhum deles teve suas configurações de privacidade alteradas, simplesmente agora estamos mostrando as informações públicas na apresentação”, explica um porta-voz da rede social.

Quem preferir pode editar os dados. Basta clicar no ícone de lápis que aparece ao lado das informações e cancelar as informações que não desejar que apareçam.

Referência:

Olhar Digital de 22 de Junho de 2016 via Huffingtonn Post

Supercomputador brasileiro é desligado por falta de dinheiro para conta de luz

Sem condições de pagar a conta de luz, o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), que fica em Petrópolis, no Rio de Janeiro, se viu obrigado a desligar o supercomputador Santos Dumont, instalado no local. A máquina é a maior da América Latina e uma das 300 mais rápidas do mundo.

Segundo a direção do LNCC, manter o supercomputador ligado consumia 80% dos recursos públicos destinados ao laboratório. A conta de luz, com o equipamento funcionando, chegava a custar quase R$ 500 mil por mês, e falta dinheiro ao instituto para manter as contas em dia.

Ainda de acordo com a direção do LNCC, não há previsão de quando o supercomputador será religado já que não se sabe quando os recursos para o pagamento da energia elétrica serão recebidos. O Santos Dumont é usado para pesquisas sobre o mal de Alzheimer e o vírus zika.

Além de atrasar o progresso científico, a LNCC diz que deixar o Santos Dumont desligado pode causar danos ao equipamento. Por isso, a equipe tem ligado o aparelho por curtos períodos, fora do horário de pico, para evitar qualquer prejuízo mais grave. O responsável direto pelo laboratório é o governo federal e o Ministério da Ciência e Tecnologia.

Referência

Olhar Digital de 22 de Junho de 2016 Via CBN

Governo dos EUA ainda usa Windows 3.1 e computadores dos anos 1970

Segundo relatório, agências governamentais daquele país também utilizam linguagens de programação antigas e até mesmo disquetes.

Agências do governo americano estão usando sistemas de TI rodando o Windows 3.1, as linguagens de programação antigas COBOL e Fortran e computadores dos anos 1970.

Um sistema de backup de mensagens de controle nuclear do Departamento de Defesa dos EUA roda em um computador IBM Series 1, lançado em 1976, e usa oito disquetes, enquanto que o arquivo principal de dados dos contribuintes do Revenue Service é escrito em um código de linguagem que já tem mais de 50 anos, segundo um novo relatório do Government Accountability Office.

Algumas agências governamentais daquele país ainda estão rodando o Windows 3.1, lançado originalmente em 1992, assim como o mais recente (mas já sem suporte) Windows XP, segundo afirmou o representante Jason Chaffetz, durante uma audiência sobre os sistemas de TI desatualizados do governo.

O governo americano gasta mais de 80 bilhões de dólares por ano com TI, e “a maior parte não funciona”, afirmou o político republicano de Utah. “O governo federal está anos, algumas vezes décadas, atrás do setor privado.”

As agências dos EUA gastam cerca de 75% dos seus orçamentos com TI para manter sistemas existentes ou de legado, com apenas 25% desse montante indo para novos sistemas, afirmou o diretor de TI da GAO, Dave Powner.

Referência:
http://idgnow.com.br/ti-pessoal/2016/05/25/governo-dos-eua-ainda-usa-windows-3-1-e-computadores-dos-anos-1970/

China apresenta supercomputador mais rápido do mundo e domina Top 500

167 máquinas do ranking são chinesas. Além disso, processadores mais rápidos em uso são produzidos no país asiático.

O supercomputador Tianhe-2 acaba de perder o posto de supercomputador mais rápido do mundo. Por coincidência, ele foi ultrapassado por outra máquina chinesa: o Sunway TaihuLigh, capaz de processar 93 bilhões de operações por segundo.

O novo líder da lista das máquinas mais potentes do mundo dá à China outra fonte de orgulho. Diferente do predecessor, que rodava com processadores Intel, o equipamento mais potente do mundo foi construído com chips chineses.

E não para por aí. A 47ª edição do ranking que lista os 500 principais supercomputadores do mundo agora contém 167 sistemas chineses, colocando o gigante asiático a frente dos Estados Unidos, com 165 representantes na lista.

O TaihuLight atingiu 93 petaflops utilizando 40,960 processadores SW26010 desenhados e fabricados na China. Cada componente contém quatro elementos de gestão de processamento (MPEs, na sigla em inglês) e quatro blocos, sendo que cada um possui 64 elementos de processamento computacional, com 260 núcleos por processador. O sistema total possui 10.649,600 cores.

O Tianhe-2, que encabeçava a lista desde junho de 2013, em comparação, atingiu 33,9 petaflops, continha 260 mil processadores Intel Xeon E5-2692v2, cada um com 12 núcleos funcionando a 2.2GHz, em um total de 3.120,000 cores.

Dois norte-americanos aparecem na terceira e quarta posição do ranking de supercomputadores mais rápidos do mundo, o Titan e o Sequoia. O japonês K Computer ficou em quinto, seguido pelo Mira, Trinity, Piz Daint, Hazel Hen e Shaheen II.

Referência:
http://idgnow.com.br/ti-corporativa/2016/06/20/china-apresenta-supercomputador-mais-rapido-do-mundo-e-domina-top-500/

Satélite brasileiro transmite a 80 Gbps e vai levar internet para todo o país

http://img1.olhardigital.uol.com.br/embed/satelite-brasileiro-transmite-a-80-gbps-e-vai-levar-internet-para-todo-o-pais/58331
Internet banda larga para quem não tem acesso, principalmente para as regiões mais afastadas do Brasil. Esta é a promessa do primeiro satélite de comunicação e defesa 100% nacional. O que chama atenção neste satélite é sua alta capacidade de transmissão de dados que pode chegar a incríveis 80 gigabits por segundo. Apesar da altíssima capacidade, este satélite não vai fazer qualquer diferença para quem vive nas grandes cidades e já tem acesso…

A explicação é econômica. Neste satélite, o preço do megabyte ainda é mais caro para lugares onde já existe ou seja possível construir rotas de fibra óptica para oferecer acesso à internet. De qualquer forma, existem diversos pontos no país onde não vale a pena ou é simplesmente impossível levar fibra óptica – principalmente locais onde o número de usuários é pequeno demais. Nestes casos, o satélite é a solução.

O interessante é que, em um segundo momento, satélites com capacidade de transmissão ainda maior – podendo chegar a 300 gigabits por segundo de velocidade – aí, sim, o preço do megabyte vai ser bem inferior ao da fibra; pelo menos é o que se imagina. Com esta previsão, é possível pensar em satélites que melhorem significantemente a qualidade da internet de todo o país, inclusive nas grandes metrópoles. Se animou? Calma, esta previsão é só para daqui mais 5 ou 8 anos…

A previsão de lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas é dezembro deste ano. Ele deve entrar em operação ainda no primeiro trimestre de 2017. Outra notícia boa – esta para a segurança do Brasil – é que, quando estiver em órbita, este satélite terá 30% da sua banda de uso exclusivo militar, o que vai garantir a soberania do país em transmissões de informações estratégicas.

Referência:
Olhar Digital de 14 de maio de 2015.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 167 outros seguidores